Curso de Deformação Miocárdica – Strain e Strain Rate

R$ 1,600.00
Informações básicas, intermediárias e bastante avançadas sobre deformação miocárdica (strain e strain rate). Direcionadas aos Cardiologistas dedicados à Ecocardiografia, que já tenham conhecimento prático do método de ecocardiograma bidimensional, e desejam receber agora uma extensa gama da experiência teórica-prática do Dr. Fernando Morcerf, muitas absolutamente exclusivas e originais sobre o estuda da deformação miocárdica (strain e strain rate), tanto em Doppler Tecidual Espectral, quanto de Doppler Tecidual Colorido e Speckle Tracking. Há ainda o recurso Perguntas e Respostas onde poderão encaminhar suas dúvidas e perguntas diretamente. Um curso que certamente mudará bastante o seu conceito sobre função ventricular esquerda!

Conceitos Gerais Importantes

DEFORMAÇÃO (STRAIN) E TAXA DE DEFORMAÇÃO (STRAIN RATE) (9 min)
Conceitos iniciais sobre strain e strain rate. Strain Longitudinal, Circunferencial e Radial. Tethering. Strain de Cisalhamento.
CONHECIMENTO ANATÔMICO INDISPENSÁVEL PARA O ESTUDO DA DEFORMAÇÃO MIOCÁRDICA. (7 min)
Anatomia cardíaca vista de um ponto de vista totalmente diferente do usual. Impossível começar uma aula sobre anatomia cardíaca relevante ao estudo da deformação miocárdica sem falar nos trabalhos de Torrent-Guasp. Bandas musculares. Fibras descendentes e ascendentes.
FISIOLOGIA I - SEQUÊNCIA DE CONTRAÇÃO DAS BANDAS (11 min)
Com este conhecimento, baseado nas bandas musculares de Torrent-Guasp, será possível juntar a atividade fisiológica elétrica e mecânica do músculo cardíaco a estas bandas. Conceitos antigos aos quais estamos acostumados por muitos anos, deverão ser mudados.
FISIOLOGIA II - RELAÇÃO ANATÔMICA DE TORRENT GUASP E VETORES DE VELOCIDADES LONGITUDINAIS (10 min)
Análise do tempo de pré ejeção; período de contração isovolumétrica; tempo de ejeção; período isovolumétrico de pós ejeção; diástase e contração atrial aos cortes apicais.
FISIOLOGIA III - RELAÇÃO ANATÔMICA DE TORRENT GUASP E VETORES DE VELOCIDADES TRANSVERSAS (10 min)
Análise do tempo de pré ejeção; período de contração isovolumétrica; tempo de ejeção; período isovolumétrico de pós ejeção; diástase e contração atrial aos cortes transversos.

 


Doppler Tissular Colorido

PARÂMETROS DE TEMPO (4 min)
Antes de tudo temos de obter os momentos que ocorrem a abertura e fechamento da valva aórtica e da mitral.
COMO REALIZAR DOPPLER TISSULAR COLORIDO (33 min)
Doppler tecidual pulsado espectral. Filtros de intensidade e velocidade. Doppler tecidual bidimensional colorido. Modo M anatômico curvo do Doppler colorido tecidual. VTI (análise das velocidades longitudinais ). TSI (análise da sincronização tecidual entre paredes). TT (análise do deslocamento longitudinal –tissue tracking). SI ( análise da deformação sistólica –strain-). SRI (análise da taxa de deformação sistólica -strain rate-). Posicionamento dos ROI (region of interest).
UTILIZAÇÃO DO ROI MÓVEL (38 min)
Variações das curvas na dependência de posição dos ROI. Variações inter e intra observadores. Possibilidades de erros. Diferenças entre as análises de amplitude e tempo dos picos máximos. Deveria aprender derivada e integral. Formas de corrigir um ROI móvel.
DOPPLER TISSULAR - INÍCIO (10 min)
Alguns lembretes antes de começar. Erros no posicionamento dos ROIs. Problemas na realização durante cortes transversos do VE. Modo M no corte transverso.
MODO-M CURVO DO DOPPLER TISSULAR (14 min)
Velocidade tecidual. Deslocamento apical (Tissue tracking).  Deformação miocárdica (strain). Taxa de deformação (strain rate).
DOPPLER TISSULAR – APICAL 4C (60 min)
Análise do Doppler tissular espectral junto ao anel mitral. Relação entre Doppler tissular espectral e o Doppler tissular colorido. Doppler tissular colorido apical 4 câmaras. Curvas e modo M anatômico curvo. Velocidades (VTI). Sincronismo (TSI). Deslocamento (TT). Deformação (strain). Taxa de deformação (strain rate).
DOPPLER TISSULAR – APICAL 2C (16 min)
Doppler tissular colorido apical 2 câmaras. Curvas e modo M anatômico curvo.
DOPPLER TISSULAR – APICAL 3C (16 min)
Doppler tissular colorido apical 3 câmaras ou longitudinal. Curvas e modo M anatômico curvo.
DOPPLER TISSULAR NA AVALIAÇÃO DO VD (6 min)
Doppler tissular espectral do anel tricúspide. Doppler tissular colorido. Aspecto normal. Avaliação da função sistólica global do VD.

 


 

Speckle Tracking

O MÉTODO DO SPECKLE TRACKING (8 min).
O que é um speckle? Exame de speckle tracking pelo método “block matching”. Exame de speckle tracking pelo método “optical flow”. Necessidade de um eco bidimensional perfeito. Necessidade de um número de quadros (frame rate) adequado.
COMO REALIZAR EXAME DE SPECKLE TRACKING PELO MÉTODO OPTICAL FLOW EM APARELHOS ESAOTE – PARTE I (18 min)
Vejamos como realizar a avaliação da deformação miocárdica usando o método de speckle tracking e optical flow.
COMO REALIZAR EXAME DE SPECKLE TRACKING PELO MÉTODO OPTICAL FLOW EM APARELHOS ESAOTE – PARTE II (23 min)
Vejamos como realizar a avaliação da deformação miocárdica usando o método de speckle tracking e optical flow. Continuação
SPECKLE TRACKING PELO MÉTODO OPTICAL FLOW EM APARELHOS ESAOTE NORMAL EM CORTES APICAIS (42 min)
Velocidades. Sincronismo. Deslocamento. Deformação. Taxa de deformação. Análise dos vetores. Curvas endocárdicas e epicárdicas. Modo M anatômico curvo.
SPECKLE TRACKING PELO MÉTODO OPTICAL FLOW EM APARELHOS ESAOTE NORMAL EM CORTES TRANSVERSOS (34 min)
Agora vamos ver estas análises em cortes transversos
COMO REALIZAR EXAME DE SPECKLE TRACKING PELO MÉTODO BLOCK MATCHING EM APARELHOS GE (ECHOPAC) Parte I (25 min)
Obtenção dos cortes. Aceitação pelo software de detecção automática das bordas endocárdicas. Problemas frequentes.
SPECKLE TRACKING PELO MÉTODO BLOCK MATCHING EM APARELHOS GE (ECHOPAC) APICAL 4C Parte II (8 min)
Estudo do speckle tracking em um corte apical de 4 câmaras
SPECKLE TRACKING PELO MÉTODO BLOCK MATCHING EM APARELHOS GE (ECHOPAC) APICAL 2C Parte III (6 min)
Estudo do speckle tracking em um corte apical de 2 câmaras
SPECKLE TRACKING PELO MÉTODO BLOCK MATCHING EM APARELHOS GE (ECHOPAC) APICAL 3C Parte IV (14 min)
Estudo do speckle tracking em um corte apical de 3 câmaras ou longitudinal
SPECKLE TRACKING PELO MÉTODO BLOCK MATCHING EM APARELHOS GE (ECHOPAC) TRANSVERSOS NÍVEL MITRAL Parte V (8 min)
Estudo do speckle tracking em um corte transverso ao nível mitral
SPECKLE TRACKING PELO MÉTODO BLOCK MATCHING EM APARELHOS GE (ECHOPAC) TRANSVERSOS NÍVEL MITRAL Parte VI (10 min)
Estudo do speckle tracking em um corte transverso ao nível mitral continuação
SPECKLE TRACKING PELO MÉTODO BLOCK MATCHING EM APARELHOS GE (ECHOPAC) TRANSVERSOS NÍVEL MÚSCULO PAPILAR Parte VII (8 min)
Estudo do speckle tracking em um corte transverso ao nível dos músculos papilares
SPECKLE TRACKING PELO MÉTODO BLOCK MATCHING EM APARELHOS GE (ECHOPAC) TRANSVERSOS NÍVEL APICAL Parte VIII (11 min)
Estudo do speckle tracking em um corte transverso ao nível apical. Twist. Torção. Rotação apical e da base.
SPECKLE TRACKING PELO MÉTODO BLOCK MATCHING EM APARELHOS GE (ECHOPAC) ESTUDO DO VENTRÍCULO DIREITO Parte IX (4 min)
Estudo de speckle tracking do ventrículo direito
VALORES NORMAIS (16 min)
Estudo dos valores normais descritos na literatura. Problemas.

 


 

Função do VE  ao Doppler Tissular Espectral e Colorido

USO DO DOPPLER TISSULAR ESPECTRAL (17 min).
Avaliação da velocidade do anel mitral. Onda S’. Diferenças entre a parede lateral e septal. Medidas de tempo usando o Doppler espectral do anel. Intervalo eletromecânico.  Período protossistólico. Ação da banda circunferencial de Torrent Guasp. Período de contração isovolumétrica. Período isovolumétrico pós ejeção.
CONCEITOS INICIAIS DO DOPPLER TISSULAR COLORIDO NO ESTUDO A DEFORMAÇÃO MIOCÁRDICA (32 min)
Curvas de velocidades; deslocamentos; strain rate e strain.
DEFORMAÇÃO MIOCÁRDICA: DETALHES PARA O ESTUDO DO STRAIN RATE (4 min)
Detalhes importantes nas imagens e curvas do strain rate
DEFORMAÇÃO MIOCÁRDICA: DETALHES PARA O ESTUDO DO STRAIN (6 min)
Detalhes importantes nas imagens e curvas do strain
PROBLEMAS (6 min)
Angulação; reverberação; resolução temporal; frequência de quadros, etc. Como resolver. 
MODO M ANATÔMICO CURVO DO DOPPLER TECIDUAL (14 min)
Importantíssimo! Mesmo tendo speckle tracking a avaliação conjunta com o Doppler tecidual colorido é indispensável. Principalmente a análise detalhada no strain rate. Frequentemente melhor que o speckle tracking para certos detalhes. 

 


 

Função do VE  ao Speckle Tracking

CONSIDERAÇÕES INICIAIS PARA O ESTUDO DA DEFORMAÇÃO DO VE (7 min)
Informações detalhadas da formação das imagens e curvas do VE ao Speckle Tracking. Frequência de quadro; frequência cardíaca; resolução temporal; resolução lateral, etc
ANÁLISE INICIAL DAS IMAGENS E CURVAS DE STRAIN E STRAIN RATE (9 min)
Como analisar as imagens, curvas e modo M curvo obtidos com speckle tracking do tipo block matching. 
ESTUDO AO CORTE APICAL 4 CÂMARAS (6 min)
Avaliação inicial a partir do apical 4 câmaras
ESTUDO AO CORTE APICAL 3 CÂMARAS LONGITUDINAL (9 min)
Avaliação inicial a partir do apical longitudinal de 3 câmaras
ESTUDO AO CORTE APICAL 2 CÂMARAS (8 min)
Avaliação inicial a partir do apical 2 câmaras. Análise do Bull’s eye
ESTUDO AOS CORTES TRANSVERSOS (16 min)
Nível da mitral, músculos papilares e ápice do VE. Rotações, Twist e Torção 
ALGUNS DETALHES FINAIS (6 min)
Índice de pré estiramento, índice pós sistólico,  dessincronização ventricular. 

 


 

Função do VD  ao Doppler espectral, ao Doppler Tissular colorido  e ao Speckle Tracking. Normal e em Diferentes Patologias

ESTUDO DA FUNÇÃO SISTÓLICA DO VENTRÍCULO DIREITO (26 min)
Utilização de S’ do Doppler espectral do anel tricúspide comparativamente com TAPSE; Doppler tissular colorido e Speckle Tracking em VD normais e na regurgitação tricúspide, hipertensão arterial pulmonar, estenose pulmonar, síndrome carcinoide, miocardiopatia dilatada ,displasia arritmogênica do VD

 


 

Função do VE  ao Doppler espectral, ao Doppler Tissular colorido  e ao Speckle Tracking nas lesões orovalvares

REGURGITAÇÃO MITRAL (8 min)
Níveis de disfunção do VE. Melhor momento para cirurgia em pacientes assintomáticos. Perspectiva de retorno da função do VE pós operatória.
ESTENOSE AÓRTICA (15 min)
Níveis de disfunção do VE. Melhor momento para cirurgia em pacientes assintomáticos. Perspectiva de retorno da função do VE pós operatória.
REGURGITAÇÃO AÓRTICA (4 min)
Níveis de disfunção do VE. Melhor momento para cirurgia em pacientes assintomáticos. Perspectiva de retorno da função do VE pós operatória.

 


 

Função do VE  ao Doppler espectral, ao Doppler Tissular colorido  e ao Speckle Tracking nas Cardiopatias com Hipertrofia ou Infiltração das paredes do VE

CARDIOPATIA HIPERTENSIVA (15 min)
Níveis de disfunção do VE em comparação com a fração de ejeção. Dispersão de picos. Seguimento do paciente hipertenso. Detecção de fibrose nas paredes do VE.
MIOCARDIOPATIA HIPERTRÓFICA ASSIMÉTRICA (9 min)
Com ou sem obstrução subaórtica. Com obstrução médio-ventricular. Yamagushi. 
AMILOIDOSE (7 min)
Aspecto razoavelmente característico no Bull’s eye do speckle tracking.
ATAXIA DE FRIEDREICH (3 min)
Diagnóstico diferencial com cardiopatia hipertensiva, miocardiopatia hipertrófica e com a amiloidose.

 


 

Função do VE  ao Doppler espectral, ao Doppler Tissular colorido  e ao Speckle Tracking nas Miocardiopatias com Dilatação do VE

MIOCARDIOPATIAS DILATADAS (8 min)
Estudo das diversas causas de miocardiopatias dilatadas.
MIOCARDITE VIRÓTICA (6 min)
Estágio agudo e após melhora clínica
MIOCARDIOPATIA DILATADA COM BCRE (9 min)
Importante distinguir as alterações do BCRE com e sem miocardiopatia. Dessincronização ventricular.
MIOCARDIOPATIA POR NÃO COMPACTAÇÃO DO VE (5 min)
Teria algum sinal específico ao estudo da deformação miocárdica? Acredito que sim.
ENDOMIOCARDIOFIBROSE (2 min)
Alguns achados podem ser característicos.
CARDIOPATIA CHAGÁSICA (2 min)
Aneurisma chagásico. Não acometimento das paredes basais ântero-septais em sua forma declarada poderia ser usado no diagnóstico diferencial das miocardiopatias dilatadas? Bom tema para um estudo. 
SARCOIDOSE (2 min)
Diagnóstico diferencial pode ser principalmente com doença coronária.

 


 

Função do VE  ao Doppler espectral, ao Doppler Tissular colorido  e ao Speckle Tracking na Cardiopatia Isquêmica

CONSIDERAÇÕES INICIAIS EM CARDIOPATIA ISQUÊMICA (9 min)
Sinais indicativos de provável isquemia. Problemas da avaliação segmentar das paredes do VE. 
ANEURISMA DO VE COM TROMBO (6 min)
Um caso de aneurisma apical com trombo.
ENFARTE INFERIOR (9 min)
Um caso de enfarte inferior.
ENFARTE INFERIOR e do VD (9 min)
Um caso de enfarte inferior e do VD.
FIBROSE DE PAREDE INFERIOR E POSTERIOR (3 min)
Um caso de fibrose de parede inferior e posterior.
FIBROSE ANTERIOR (2 min)
Um caso de fibrose anterior.
STENT PARA DESCENDENTE ANTERIOR PÓS ENFARTE (4 min)
Um caso de stent para DA após enfarte.
ANEURISMA DO VE (2 min)
Um caso de aneurisma do VE.

 


 

Função do VE  ao Doppler espectral, ao Doppler Tissular colorido  e ao Speckle Tracking em Atletas

DEFORMAÇÃO MIOCÁRDICA EM ATLETAS (2 min)
Atletas de força e de resistência têm deformações diferentes.

 


Informações e Assinatura

Curso: São 67 videoaulas (12:10h). O aluno ainda conta com o recurso “Perguntas e Respostas” onde poderá encaminhar suas dúvidas/perguntas diretamente ao Dr. Morcerf pelo WhatsApp 21-98134-5874

Preço: R$ 1600,00 com vigência de 3 meses (90 dias) a contar da data de contratação.

As videoaulas poderão ser acessadas de qualquer micro, tablet e celular, pelo período de 90 dias.

Detalhes do Curso

  • Duração 12 horas 10 min
  • Número de aulas 71
  • Conceitos Gerais Importantes 0/5

    Conceitos iniciais sobre Strain e Strain rate. Strain Longitudinal, Circunferencial e Radial. Tethering. Strain de Cisalhamento.

    • Aula1.1
      Deformação (Strain) e Taxa de Deformação (Strain Rate)
      9m
    • Aula1.2
      Conhecimento anatômico indispensável para o estudo da deformação miocárdica
      7m
    • Aula1.3
      Fisiologia I – sequência de contração das bandas
      11m
    • Aula1.4
      Fisiologia II – relação anatômica de Torrent Guasp e vetores de velocidades longitudinais
      10m
    • Aula1.5
      Fisiologia III – relação anatômica de Torrent Guasp e vetores de velocidades transversas
      6m
  • Doppler Tissular Colorido 0/8

    Análise do tempo de pré ejeção; período de contração isovolumétrica; tempo de ejeção; período isovolumétrico de pós ejeção; diástase e contração atrial aos cortes transversos.

    • Aula2.1
      Parâmetros de tempo
      4m
    • Aula2.2
      Como realizar Doppler Tissular colorido
      10m
    • Aula2.3
      Utilização do ROI móvel
      38m
    • Aula2.4
      Doppler Tissular – início
      10m
    • Aula2.5
      Doppler Tissular – Apical 4C
      1h0m
    • Aula2.6
      Doppler Tissular – Apical 2C
      16m
    • Aula2.7
      Doppler Tissular – Apical 3C
      7m
    • Aula2.8
      Doppler Tissular na avaliação do VD
      6m
  • Speckle Tracking 0/14

    O que é um speckle? Exame de speckle tracking pelo método “block matching”. Exame de speckle tracking pelo método “optical flow”. Necessidade de um eco bidimensional perfeito. Necessidade de um número de quadros (frame rate) adequado.

    • Aula3.1
      O método do Speckle Tracking
      8m
    • Aula3.2
      Como realizar exame de Speckle Tracking pelo método optical flow em aparelhos ESAOTE– parte  I
      18m
    • Aula3.3
      Como realizar exame de Speckle Tracking pelo método optical flow em aparelhos ESAOTE – parte II
      24m
    • Aula3.4
      Speckle Tracking pelo método optical flow em aparelhos ESAOTE normal em cortes transversos
      34m
    • Aula3.5
      Como realizar exame de Speckle Tracking pelo método Block Matching em aparelhos GE (ECHOPAC) parte I
      25m
    • Aula3.6
      Speckle Tracking pelo método Block Matching em aparelhos GE (ECHOPAC) Apical 4C parte II
      8m
    • Aula3.7
      Speckle Tracking pelo método Block Matching em aparelhos GE (ECHOPAC) Apical 2C parte III
      6m
    • Aula3.8
      Speckle Tracking pelo método Block Matching em aparelhos GE (ECHOPAC) apical 3C parte IV
      14m
    • Aula3.9
      Speckle Tracking pelo método Block Matching em aparelhos GE (ECHOPAC) transversos nível mitral parte V
      9m
    • Aula3.10
      Speckle Tracking pelo método Block Matching em aparelhos GE (ECHOPAC) transversos nível mitral parte VI
      10m
    • Aula3.11
      Speckle Tracking pelo método Block Matching em aparelhos GE (ECHOPAC) transversos  nível músculo papilar parte VII
      8m
    • Aula3.12
      Speckle Tracking pelo método Block Matching em aparelhos GE (ECHOPAC) transversos nível apical parte VIII
      11m
    • Aula3.13
      Speckle Tracking pelo método Block Matching em aparelhos GE (ECHOPAC) estudo do ventrículo direito parte IX
      4m
    • Aula3.14
      Valores normais
      16m
  • Função do VE ao Doppler Tissular Espectral e Colorido 0/6

    Avaliação da velocidade do anel mitral. Onda S'. Diferenças entre a parede lateral e septal. Medidas de tempo usando o Doppler espectral do anel. Intervalo eletromecânico.  Período protossistólico. Ação da banda circunferencial de Torrent Guasp. Período de contração isovolumétrica. Período isovolumétrico pós ejeção

    • Aula4.1
      Uso do Doppler Tissular Espectral
      17m
    • Aula4.2
      Conceitos iniciais do doppler tissular colorido no estudo a deformação miocárdica
      32m
    • Aula4.3
      Deformação miocárdica: detalhes para o estudo do Strain Rate
      4m
    • Aula4.4
      Deformação miocárdica: detalhes para o estudo do Strain
      6m
    • Aula4.5
      Problemas
      6m
    • Aula4.6
      Modo M anatômico curvo do Doppler Tecidual
      14m
  • Função do VE ao Speckle Tracking 0/7

    Importantíssimo! Mesmo tendo speckle tracking a avaliação conjunta com o Doppler tecidual colorido é indispensável. Principalmente a análise detalhada no strain rate. Frequentemente melhor que o speckle tracking para certos detalhes

    • Aula5.1
      Considerações iniciais para o estudo da deformação do VE
      7m
    • Aula5.2
      Análise inicial das imagens e curvas de Strain e Strain Rate
      9m
    • Aula5.3
      Estudo ao corte apical 4 câmaras
      6m
    • Aula5.4
      Estudo ao corte apical 3 câmaras longitudinal
      9m
    • Aula5.5
      Estudo ao corte apical 2 câmaras
      8m
    • Aula5.6
      Estudo aos cortes transversos
      16m
    • Aula5.7
      Alguns detalhes finais
      6m
  • Função do VD ao Doppler espectral, ao Doppler Tissular colorido e ao Speckle Tracking. Normal e em Diferentes Patologias 0/1

    Índice de pré estiramento, índice pós sistólico,  dessincronização ventricular

    • Aula6.1
      Estudo da função sistólica do ventrículo direito
      26m
  • Função do VE ao Doppler espectral, ao Doppler Tissular colorido e ao Speckle Tracking nas lesões orovalvares 0/3

    Níveis de disfunção do VE. Melhor momento para cirurgia em pacientes assintomáticos. Perspectiva de retorno da função do VE pós operatória

    • Aula7.1
      Regurgitação mitral
      8m
    • Aula7.2
      Estenose aórtica
      15m
    • Aula7.3
      Regurgitação aórtica
      4m
  • Função do VE ao Doppler espectral, ao Doppler Tissular colorido e ao Speckle Tracking nas Cardiopatias com Hipertrofia ou Infiltração das paredes do VE 0/4

    Níveis de disfunção do VE em comparação com a fração de ejeção. Dispersão de picos. Seguimento do paciente hipertenso. Detecção de fibrose nas paredes do VE

    • Aula8.1
      Cardiopatia hipertensiva
      15m
    • Aula8.2
      Miocardiopatia hipertrófica assimétrica
      9m
    • Aula8.3
      Amiloidose
      7m
    • Aula8.4
      Ataxia de Friedreich
      3m
  • Função do VE ao Doppler espectral, ao Doppler Tissular colorido e ao Speckle Tracking nas Miocardiopatias com Dilatação do VE 0/7

    Estudo das diversas causas de miocardiopatias dilatadas

    • Aula9.1
      Miocardiopatias dilatadas
      8m
    • Aula9.2
      Miocardite virótica
      6m
    • Aula9.3
      Miocardiopatia dilatada com BCRE
      9m
    • Aula9.4
      Miocardiopatia por não compactação do VE
      5m
    • Aula9.5
      Endomiocardiofibrose
      2m
    • Aula9.6
      Cardiopatia Chagásica
      2m
    • Aula9.7
      Sarcoidose
      2m
  • Função do VE ao Doppler espectral, ao Doppler Tissular colorido e ao Speckle Tracking na Cardiopatia Isquêmica 0/7

    Sinais indicativos de provável isquemia. Problemas da avaliação segmentar das paredes do VE

    • Aula10.1
      Considerações iniciais em cardiopatia isquêmica
      9m
    • Aula10.2
      Aneurisma do VE com trombo
      6m
    • Aula10.3
      Enfarte inferior
      9m
    • Aula10.4
      Enfarte inferior e do VD
      9m
    • Aula10.5
      Fibrose de parede inferior e posterior
      3m
    • Aula10.6
      Fibrose anterior
      2m
    • Aula10.7
      Stent para descendente anterior pós enfarte
      4m
  • Função do VE ao Doppler espectral, ao Doppler Tissular colorido e ao Speckle Tracking em Atletas 0/1

    Atletas de força e de resistência têm deformações diferentes

    • Aula11.1
      Deformação miocárdica em atletas
      2m
Dr. Fernando Morcerf
Presidente do Primeiro Congresso de Ecocardiografia do Departamento de Imagem Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Professor de Ecocardiografia em cursos de inicialização e de especialização em ECOCARDIOGRAFIA da ECOR há 30 anos com mais de 180 turmas.

Avaliações

Média de Avaliações

0
0 avaliação

Avaliações detalhadas

5 estrelas
0
4 estrelas
0
3 estrelas
0
2 estrelas
0
1 estrela
0
Escola Brasileira de Ecocardiografia - 40 anos dedicados à Ecocardiografia
R$ 1,600.00

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *